A conquista do Marão… by (ze)night!

A ferrugem da pena com que vos escrevo, está directamente proporcional com a que assalta as minhas pernas.

A ausência destes meus relatos biográficos, vai-se prendendo com o facto de que tenho estado algo afastado de aventuras ciclistas.
A ausência destas aventuras ciclísticas, enferrujou-me as pernas e as teclas, ficando assim montado um ciclo vicioso…

Os bravos

Os bravos

E o elo que partiu este ciclo vicioso, resultou do chamamento da montanha que ainda me vai separando do Reino Maravilhoso de Miguel Torga.

O Marão. A serra do Marão.

“Começa logo porque fica no cimo de Portugal, como os ninhos ficam no cimo das árvores para que a distância os torne mais impossíveis e apetecidos. E quem namora ninhos cá de baixo, se realmente é rapaz e não tem medo das alturas, depois de trepar e atingir a crista do sonho, contempla a própria bem-aventurança.” Miguel Torga

tudo parece pequeno...

tudo parece pequeno…

E, assim foi, na madrugada do domingo passado, a convite do meu inseparável navegador, e amigo, Kiko, pude responder a um desafio que irá permanecer durante muito tempo na memória.

Desta vez, o desafio consistia em conquistar o ponto mais alto da serra do Marão, durante a noite, e assistir à alvorada de um novo dia, pela hora do nascer do sol.

Estranha forma de BTT…

Amavelmente recebido no seio do fantástico grupo Gaia Bikers, que trazia tudo muito bem imaginado, para que se pudesse fazer um passeio bem divertido.

Um dos petiscos...

Um dos petiscos…

No entanto, a diversão obrigava a que às costas fosse transportada a merenda, que consistia em chouriços, pão, cervejas, assadores, enfim um verdadeiro banquete, que acabou por ser feito em Mafomedes, por verdadeiros master chef’s, no sopé da serra, depois de as pernas já estarem bem quentinhas, e de uma descida verdadeiramente alucinante, que feita à “média luz”, nas profundezas da serra, ao luar, acabou por abrir e muito o apetite.

O percurso traçado se parecia duro com 70 kms e 2 400 metros de D+, veio na realidade a mostrar-se verdadeiramente épico! Acho que nunca subi tanto em tão poucos kms. Acho que em 27 km subiu-se +/- 1800 metros de desnível positivo…  😯

1416 metros conquistados

1416 metros conquistados

Porquê este dia? Apurei que é incerta a origem desta popular peregrinação, mas constatei que muitas centenas de pessoas, vindas de todos os lados, respondem ano após ano a este instinto de peregrinação que ajuda a limpar a alma.

E o que me levou lá cima? Ainda não consigo encontrar justificação bastante para me submeter a tão grande empeno. Talvez nunca venha  a saber.

Fica na memória como mais um dia (noite 🙂 ) inesquecível a andar de bicicleta, junto de companheiros sempre bem dispostos e divertidos que tornaram tudo mais fácil.

 O grupo ptdirtriders organizou de forma irrepreensível mais uma etapa do circuito NGPS, tendo sido agradável verificar que as câmaras do interior, cada vez mais se mostram receptivas a este tipo de eventos.

E já chega de conversa, venha mas é o próximo NGPS! De dia…

subida

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

  • Subscrever Blog via email

    Indique o seu endereço de email para subscrever este site e receber notificações de novos artigos por email.